Mundo Giro

Posts Tagged ‘jogos

O Verão é um excelente aliado para as crianças se desenvolverem física e cognitivamente, por ser sinónimo de sol e férias. Permite também que se baixe a guarda das rotinas diárias fazendo com que as crianças pareçam esponjas a absorver tudo o que as rodeia.

O resultado é visível: após o Verão, todas as crianças parecem ter crescido e apresentam-se “mais maduras”.

As férias são também óptimas para fortalecer os laços familiares, pois existe uma forte diminuição do stress, o que nos torna a todos mais tolerantes e dispostos a ensinar e a aprender.

Está provado que as crianças gostam de criar e conceber brincadeiras usando quase só o imaginário.

De facto, há brincadeiras muito Giras que não requerem um dispêndio de dinheiro e cujo efeito vai ser fantástico. Um dos locais prefeitos para isso acontecer é, sem dúvida, a praia.

Exemplos:

  1. Vão apanhar conchas bonitas pela praia. Após a recolha podem sentar-se na sombra do chapéu e tentem construir caras, caminhos, a planta de uma casa (como arquitectos), animais, etc.
  2. Apanhem um pau e deitem-se na areia: desafiem as crianças a fazerem os contornos dos corpos uns dos outros. Depois até os podem decorar com conchas, toalhas, peças de roupa que levem ou mesmo recorrendo ao pau e desenham mais coisas para enfeitar.
  3. Jogo do galo – também basta apenas um pau para este jogo. Para quem não se lembra: desenhem a grelha (duas linha paralelas na horizontal sobrepondo duas linhas paralelas na vertical) na areia e decidam que é o X ou a O. Já sabem que ganha quem fizer uma linha completa de X ou de O
  4. Podem fazer túneis, escavando a areia e um concurso de resistência das pontes ou das pontes mais bonitas
  5. Se as crianças forem mais crescidas e já souberem ler, podem jogar à forca.

Se quiserem recorrer aos brinquedos de compra, aí têm uma grande variedade de escolha e terão com certeza várias brincadeiras por onde escolher, mas também irão muito mais carregados para a praia.

Regra de ouro: não impor os jogos – deve ser algo descontraído e de livre vontade.

Como estamos a falar de praia, não posso terminar sem relembrar medidas preventivas e como proceder no caso de algumas situações ocorrerem:

http://www.ordemenfermeiros.pt/comunicacao/Documents/Noticias_apos_2011/Folheto_DMC_2011Amarelo.pdf

Acima de tudo divirtam-se e criem laços familiares, ainda mais fortes…. Vai ser Giro!

Tânia Sereno

Mundo Giro

Kid Spotter

Anúncios

Os jogos fazem parte do quotidiano de qualquer criança.
Quando isso não acontece, algo está errado, pois são muito importantes para a aprendizagem das crianças.

Através do jogo, a criança brinca, testa hipóteses, apreende algumas regras sociais, enriquece o desenvolvimento intelectual, aprende que ganhar ou perder faz parte da vida e desenvolve estratégias para enfrentar várias situações.

De acordo com Piaget,  “… os jogos não são apenas uma forma de desabafo ou entretenimento para gastar energias das crianças, mas meios que contribuem e enriquecem o desenvolvimento intelectual”. Além disso, “o jogo é um tipo de actividade particularmente poderosa para o exercício da vida social e da actividade construtiva da criança”.

Há vários tipos de jogos, como por exemplo os jogos tradicionais, jogos de tabuleiro, jogo simbólico, jogo de construção etc.
Ao contrário do que se possa pensar, nem todos os jogos necessitam de regras e/ou adversários, que obrigatoriamente tenham de culminar com um vencedor.
Hoje falaremos de um desses tipos de jogos que não necessitam de regras, mas que são muito importante para a criança – o jogo simbólico mais conhecido por Faz de Conta.

O jogo simbólico é o “teatro” do imaginário, a representação de como a criança vê e interpreta o que a rodeia. As suas características são: a liberdade de regras, o desenvolvimento da imaginação e fantasia, ausência de um objectivo específico e lógica própria.

Devemos incentivar este jogo, pois é muito importante para a construção do “eu” da personalidade da criança. Não devemos interromper por estar a fazer de conta que é uma menina ou coisas de menina se estiver a ser interpretado por um menino (ou vice-versa), porque é importante que deixem fluir a sua imaginação e que passem por todos os papéis. Pode inclusive ajudar no teatro, deixando a criança comandar.

É muito giro quando pedem para sermos filhos e eles os pais, e reflectem normalmente as nossas frases mais caricatas para os educar… este momento, também vos pode ajudar a ver onde há lacunas na educação ou até mesmo a verem se existe alguma situação de que a criança não fale mas que esteja a incomodar e a prejudicar de alguma forma.

Vamos deixar as crianças terem a sua liberdade de expressão. No fim, verá que além de ser cómico também será Giro envolver-se no seu imaginário.
Tânia Sereno
Mundo Giro
Kid Spotter @ On Spot Marketing

Quem é que não se lembra de, na sua infância, ter dito ou cantado um trava-línguas ou uma lenga-lenga?
E de jogar a algo que tinha por base uma música que parecia não fazer sentido mas que rimava?
Esses jogos são intemporais, havendo sempre uma altura em que as crianças dizem ou jogam, mesmo que não saibam que o estão a fazer.

No entanto, existe alguma confusão sobre o que é uma lenga-lenga e um trava-linguas, e quais as suas diferenças.

Lenga-lenga corresponde a um conjunto de frases curtas que rimam, com muitas repetições que ajudam a decorar com facilidade. Estão, por norma, associadas a jogos e músicas.

Por exemplo:

A criada lá de cima
A criada lá de cima
é feita de papelão.
Quando vai fazer a cama,
diz assim para o patrão:
Sete e sete são catorze,
com mais sete são vinte e um;
tenho sete namorados
e não gosto de nenhum!

Pico pico saranico
Pico pico saranico
quem te deu tamanho bico?
Foi a filha da rainha
que está presa na cozinha.
Salta a pulga na balança
dá um pulo vão p’ra França.
As meninas a correr,
as meninas a aprender;
a mais bonita de todas
comigo se há-de esconder.

Um trava-línguas é composto por um conjunto de palavras que formam uma frase de difícil articulação, por haver concentração de sílabas difíceis de pronunciar e sons que se repetem, mas por ordem diferente.

Para complicar ainda mais, devem ser ditos de forma rápida e clara. O nome diz tudo: a dificuldade aqui é conseguir dizer do início ao fim sem que a língua trave. São considerados jogos verbais, que ajudam a aperfeiçoar a pronúncia e fomentam a disputa saudável entre amigos.

Por exemplo:

Esta burra torta trota
Esta burra torta trota;
trota, trota, a burra torta.
Trinca a murta, a murta brota;
brota a murta ao pé da porta.

Percebeste?
Se percebeste, percebeste.
Se não percebeste,
faz que percebeste
para que eu perceba
que tu percebeste.
Percebeste?

Para quem quiser testar as suas habilidades ou recordar outros exemplos, recomendo a autora Luísa Ducla Soares.
Experimentem em grupo, que será ainda mais Giro!

Tânia Sereno
Mundo Giro
Kid Spotter @On Spot Marketing

 

Ser criativo
Ser amigo
Ser egoísta
Ser sensível
Ser gigante
Ser anão
Ser Pai
Ser Mãe
Ser desorganizado
Ser organizado
Saber voar
Saber aterrar
Ser rotineiro
Ser desordeiro
Ter identidade única
Obedecer a regras
Construir regras
Ditar regras
Realidade
Criar personalidade
Ter o seu próprio negócio
Trabalhar para alguém
Imprescindível
Infalível
Boa disposição
Alegria
Boa companhia
Descoberta
Aventura
Tentativa e erro
Dar a volta ao Mundo
Fazer os animais falar
Dar vida a objectos inanimados
Amor

Brincar é fundamental para as crianças e importante para os adultos, que também o fazem, mas de uma forma mais controlada e regrada.

Uma criança que experiencie o faz-de-conta, jogos de tabuleiro, jogos tradicionais, brinquedos de várias formas e feitios, pintar, cantar, etc., e que o faça com regularidade, será uma criança muito mais completa, feliz e mais preparada para o futuro.

Resumindo: Brincar é Giro!

Tânia Sereno
Mundo Giro
Kid Spotter

 

Desde há séculos que os brinquedos têm sido considerados como parte importante no crescimento e desenvolvimento das crianças. Não só promovem as competências comportamentais, como também melhoram as habilidades de aprendizagem e ajudam a aumentar a criatividade.

Além disso, contribuem significativamente para tornar as crianças mais auto-confiantes, reflectindo-se num aumento da sua auto-estima. Vygotsky atribui ao brinquedo um papel importante, “de preencher uma actividade básica da criança, ou seja, ele é um motivo para a acção.”

As crianças ganham, por isso, uma base sólida de aprendizagem através das brincadeiras.

Um único brinquedo permite à criança (re)criar uma realidade própria, uma história ou mesmo o seu quotidiano e de quem a rodeia – chama-se a isto recorrer ao Jogo Simbólico mais conhecido por Faz de Conta. Felizmente, existe uma grande variedade de brinquedos, para todas as fases/etapas do crescimento, assim como para todas as disponibilidades financeiras.

Hoje, sugerimos os puzzles.

Pedagogicamente, são um tipo de brinquedo muito versátil. Desenvolvem a motricidade fina e, sobretudo, o raciocínio espacial e lógico.

Além disso, pertencem a uma categoria especial – podem evoluir com a criança, adaptando os seus graus de dificuldade às diferentes etapas de crescimento, até à vida adulta. A sua versatilidade também se aplica à vertente económica, visto haver preços para todas as bolsas.

Quem quiser ler um pouco mais sobre este tema, pode faze-lo no livro “A História do brinquedo e dos jogos”, de Michel Manson, disponível para compra online.

Como sugestão de fim-de-semana, propomos uma visita ao Museu do Brinquedo, em Sintra, onde será possível reencontrar inúmeros brinquedos que marcaram as nossas vidas.

Acima de tudo, divirtam-se! E partilhem bons momentos com os vossos filhos… porque brincar é mesmo GIRO!

 

Tânia Sereno
Mundo Giro
Kid Spotter


Imagine um Mundo Giro onde acontece uma feira de brinquedos entre miúdos, onde eles aprendem noções de valor?

É um projeto social, sem fins lucrativos, lúdico e sobretudo educativo.